01/09/2014 10h36

'Vamos lá, machão', provoca pai em vídeo que mostra Bernardo com faca

Reprodução Bernardo Boldrini com faca ameaçando o pai.

Dois novos vídeos de 2013 mostram brigas entre Bernardo e o pai, Leandro Boldrini. As gravações foram feitas pelo celular do médico e recuperados pela perícia. O menino de 11 anos foi assassinado em abril. O pai e a madrasta, Graciele Ugulini, estão presos por envolvimento no crime. As imagens são fortes. Em um trecho, o garoto aparece com uma faca e depois, com um facão, na mão (assista ao vídeo acima). Os arquivos foram obtidos pelo jornal Zero Hora.

Em um dos vídeos, de junho de 2013, o médico provoca o filho. "Isso aqui vai ser mostrado para quem quiser ver. Vamos lá, machão", afirma. Com uma faca na mão, Bernardo pede que o pai pare de gravar imagens suas com o celular. De acordo com a polícia, Leandro e Graciele fizeram as imagens para mostrar que o menino tinha comportamento agressivo.

De acordo com o Instituto Geral de Perícias, seis equipamentos de propriedade do casal foram analisados: quatro aparelhos celulares, sendo que um deles estava danificado, um GPS e um tablet. O trabalho foi desenvolvido em duas semanas entre processamento e geração de laudos e anexos.

A reação do menino às gravações demonstra que essa era uma prática do casal. Várias vezes, Bernardo pede que o pai pare de gravar ou apague o vídeo. Na segunda gravação, Bernardo chora, escondido dentro de um armário.

Veja a transcrição do vídeo
Leandro: Abre a porta aqui, eu quero te mostrar uma coisa.
Bernardo: Não quero escutar nada.
Leandro: Não seja tão agressivo.
Bernardo abre a porta do banheiro: Porque tu é um idiota.
O menino pega uma faca
Leandro: É contigo. Tu tá agindo pelos teus próprios atos. Vamos, vai. Vamos ver se tu é corajoso. Isso aqui vai ser mostrado para quem tu quiser saber. Vamos, machão.
Bernardo vai para outro cômodo e abre um armário.
Bernardo: Não tem o que eu quero.
Leandro: O quê
Bernardo: Álcool.
Leandro: Para quê?
Bernardo: (inaudível). Não te interessa.
Em seguida, ele aponta a faca na direção do pai.
Leandro: Baixa essa faca. Baixa essa faca, rapaz.
Bernardo: Não abaixo.
Leandro: Faz alguma coisa comigo com essa faca comigo que tu vai ver.
Bernardo: Tá bom, então segura esse telefone.
Leandro: Larga isso, rapaz.
Bernardo: Não largo.
Leandro: Larga, tu tá me ameaçando?
Bernardo: Tô.
Leandro: Tu tá me ameaçando?
Bernardo: Tô
Leandro: E o que tu vai fazer comigo?
Bernardo: Não te interessa.
Leandro: E o que tu vai fazer comigo?
Bernardo: Não te interessa. Te odeio igual.
Leandro: Para com isso, rapaz. Para
Bernardo:(inaudível) Medroso...
Leandro: Para com isso. Para, rapaz. Tira essa faca.
Bernardo: Não, então dá o telefone.
Leandro: Não, o telefone é uma coisa minha. Inventa de fazer uma coisa comigo. Faz, faz!
Bernardo: Medroso.
Leandro: Tá, encerrou? Encerrou?
Bernardo: Não.
(Bernardo sai e pega um facão)
Leandro: Terminou teu show? Terminou teu show?
Bernardo: Não.
Leandro: Baixa esse facão, rapaz.
Bernardo: Não.
Leandro: Baixa essa merda, ai rapaz! Baixa essa merda, ai rapaz!
Bernardo: Então apaga o vídeo.
Leandro: Então tu primeiro larga essa coisa no chão.
Bernardo: Então para o vídeo. Senão eu não vou parar.
Leandro: Eu mando em você. Eu mando.
Bernardo: Tira o vídeo!
Leandro:  Tirei.

Na quinta-feira, vídeo de briga com casal e menino foi divulgado
Na quinta, o G1 teve acesso a outro  vídeo que mostra uma briga entre Bernardo, o pai, Leandro Boldrini, e a madrasta, Graciele. As imagens foram gravadas no celular do pai do menino em agosto de 2013.  O vídeo capta os pedidos de socorro de Bernardo, de 11 anos, assassinado em abril deste ano (assista ao vídeo ao lado e leia a íntegra da transcrição aqui).

O vídeo começa com a sombra de Leandro no chão do quarto da casa onde a família morava, em Três Passos, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. O pai de Bernardo liga a câmera e passa para Graciele enquanto o menino grita por socorro de um outro cômodo. É possível ver o rosto do médico neste momento das imagens. A madrasta pega o celular e o ajeita na cama do casal.

É possível ouvir Bernardo em outro cômodo gritando por socorro por mais de três minutos. Em seguida, o menino se aproxima para pedir o telefone emprestado para "denunciar" o pai. Leandro chama a atenção, pedindo que Bernardo cuide a irmã, que está no mesmo cômodo. Depois começa a discussão entre o menino e a madrasta, em que ocorrem as ameaças.

Entenda
Conforme alegou a família, Bernardo teria sido visto pela última vez às 18h do dia 4 de abril, quando ia dormir na casa de um amigo, que ficava a duas quadras de distância da residência da família. No dia 6 de abril, o pai do menino disse que foi até a casa do amigo, mas foi comunicado que o filho não estava lá e nem havia chegado nos dias anteriores.

No início da tarde do dia 4, a madrasta foi multada por excesso de velocidade. A infração foi registrada na ERS-472, em um trecho entre os municípios de Tenente Portela e Palmitinho. Graciele trafegava a 117 km/h e seguia em direção a Frederico Westphalen. O Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM) disse que ela estava acompanhada do menino.

O pai registrou o desaparecimento do menino no dia 6, e a polícia começou a investigar o caso. No dia 14 de abril, o corpo do garoto foi localizado. Segundo as investigações da Polícia Civil, Bernardo foi morto com uma superdosagem de um sedativo e depois enterrado em uma cova rasa, na área rural de Frederico Westphalen.

O inquérito apontou que Leandro Boldrini atuou no crime de homicídio e ocultação de cadáver como mentor, juntamente com Graciele. Ainda conforme a polícia, ele também auxiliou na compra do remédio em comprimidos, fornecendo a receita. Leandro e Graciele arquitetaram o plano, assim como a história para que tal crime ficasse impune, e contaram com a colaboração de Edelvania e Evandro.

 

G1

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.