31/03/2017 17h13

Homem receberá R$ 20 mil de ex que o acusou de tê-la estuprado na UFGD

Na época, estudantes da UFGD protestaram por mais segurança. (Foto: Reprodução/TV Morena)

Jessica Fernanda de Abreu, de 26 anos, foi condenada a pagar R$ 20 mil de indenização ao ex-namorado Flávio Maury de Souza, de 37 anos, que em abril de 2016 foi preso e ficou 37 dias encarcerado acusado por ela de tê-la violentado sexualmente no banheiro da biblioteca da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). A decisão foi assinada na segunda-feira (27) pela juíza Larissa Ditzel Cordeiro Amaral, em processo que tramitava na 2ª Vara Cível de Dourados desde a comprovação de que o estupro não aconteceu.

Na sentença, a magistrada considerou “o fato do Autor ser pessoa simples, de pouca instrução e de parcos recursos financeiros, tanto que litiga sob o pálio da assistência judiciária gratuita, assim como a Ré, qualificada como estudante e inserida em família de baixa renda; a redundante repercussão do caso e divulgação pela mídia; o acentuado desequilíbrio psicológico e emocional experimentados por aquele que é falsa e levianamente acusado da prática de delito tão repudiado, sem olvidar da privação da liberdade e consequências negativas quanto ao cumprimento de sua pena por delito anterior, como também, do sofrimento de sua família”.

PRÁTICA CALUNIOSA
Também foi ponderado pela juíza “o fato de que a Ré, mesmo com uma certa demora, ter assumido seu erro e confessado a verdade; o distúrbio de natureza psiquiátrica manifestado por esta; a indenização por danos de ordem imaterial deve ser arbitrada em valor tal que não resulte em enriquecimento ilícito para a parte que sofre a lesão, mas suficiente para desencorajar seu causador a repetir a ação/omissão danosa; o quantum indenizatório não só é destinado a compensação da dor sofrida como também a punição da Ré e desestímulo para nova prática caluniosa”.

“[...]tenho que o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), não se mostra nem tão baixo – assegurando o caráter repressivo-pedagógico próprio da indenização por danos morais – nem tão elevado – a ponto de caracterizar um enriquecimento sem causa”, definiu a juíza. O valor deverá ser pago de uma só vez, atualizado monetariamente, “pelo IGPM/FGV, a partir desta data (Súmula 362 STJ), e acrescida de juros de mora de 12% (doze pontos percentuais) ao ano, desde o evento danoso (Súmula 54 do STJ), até seu integral adimplemento”.

Além disso, as custas processuais e os honorários advocatícios, fixados em 10% sobre o valor da indenização, deverão ser pagos pela jovem que fez a falsa acusação contra o ex-namorado. No princípio, o autor do processo pediu R$ 100 mil por danos morais, mas após audiência conciliatória que não resultou em acordo, a magistrada decidiu pela condenação em valor menor.

CRIME NO CAMPUS
Esse caso chocou Dourados no dia 5 de abril de 2016, quando houve uma manifestação de estudantes de UFGD e UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) por mais segurança no campus. Isso porque um dia antes a estudante teria sido violentada no banheiro da biblioteca que fica no campus pelo ex-namorado, um interno do regime semiaberto que a teria forçado a manter relações sexuais mediante ameaças com facas.

Preso às 16h15 do dia 4 de abril de 2016, quando estava no trabalho, numa empresa conveniada ao presídio semiaberto, Flavio foi levado à Delegacia de Atendimento à Mulher. Depois, passou 37 dias isolado em uma cela do 1º DP (Distrito Policial), porque as autoridades temiam pela segurança dele caso houvesse transferência para a PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

PRESO INJUSTAMENTE
Somente um mês depois, no dia 5 de maio, a delegada Paula dos Santos Oruê, titular da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) de Dourados, veio a público esclarecer que tudo não passava de uma invenção da suposta vítima. A jovem de 25 anos manteve relações sexuais consentidas com um colega de 21 anos, casado, e por vergonha da família – que percebeu sua roupa suja quando chegou em casa -, apresentou a versão do estupro por estar com raiva de Flavio, com que havia mantido relacionamento amoroso meses antes.

Em outra ação, que tramita na 6ª Vara Cível da Comarca, o homem que ficou preso injustamente por um estupro que não cometeu pede R$ 100 mil de indenização do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul. Nesse caso, a Procuradoria Estadual manifestou não ter interesse na audiência conciliatória agendada para o dia 16 de fevereiro de 2017 pelo juiz José Domingues Filho. O magistrado a reagendou para às 15h30 do dia 25 de abril.

 

Por André Bento, da 94 FM Dourados

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.