29/09/2017 15h03

Justiça pede para que Polícia Militar 'pare de repetir prisões'

Foto: Divulgação/Jornal da Nova

Em decisão proferida na última semana, o juiz José Henrique Kaster Franco, da comarca de Nova Andradina, pediu à Polícia Militar para que “pare de repetir prisões” como a que resultou na detenção de Eduardo do Nascimento Santos de 22 anos, mais conhecido como Crentinho, no último dia 16 de setembro. O jovem já conta quatro detenções.

No documento em que o magistrado declara “a nulidade do flagrante” e determina “o relaxamento da prisão de Eduardo Nascimento dos Santos”, José Henrique Kaster Franco também sugere que denúncias do gênero passem a ser apuradas pela Polícia Civil.

“Em outras palavras, melhor que a situação seja investigada pela Polícia Civil, a quem compete essa função. E se pare de repetir prisões pelos mesmos fundamentos já afastados, sem recurso, por este juízo”,  salientou o juiz em trecho da decisão.

Antes da última prisão de “Crentinho”, em audiência, o magistrado havia solicitado ao Estado para que encaminhasse à Comarca de Nova Andradina uma tornozeleira eletrônica, a fim de instalá-la no acusado – em decorrência de uma prisão ocorrida no último dia 31 –, contudo, por conta da falta do equipamento em Mato Grosso do Sul, o procedimento não foi possível.

“Cretinho” é conhecido no meio policial e já conta com diversas passagens por tráfico de drogas. Em 31 de agosto deste ano, inclusive, ele já havia sido preso, mas foi solto. No último dia 16 de setembro, foi detido novamente após denúncias no 190 da Polícia Militar.

Contudo, "com as provas constantes dos autos”, como restava “apenas um pequena porção de maconha no bolso do detido, que não comprova, por si só, a traficância”, o Judiciário anulou a prisão em flagrante e determinou o relaxamento da nova prisão de “Crentinho”, a quarta no “currículo”.

Do Jornal de Nova

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.