21/11/2017 19h04

Outubro chuvoso já provoca alerta e volume dos leitos de alguns rios quase dobra

2017-11-21 - Cheia registrada no rio Miranda. Foto: Arquivo/Semagro

O mês de outubro desde ano registra mais chuvas – em relação ao mesmo mês do ano passado – em 20 dos 27 pontos monitorados pelo Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul (Cemtec/MS), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). E o resultado já preocupa: os leitos de alguns rios subiram acima do limite de alerta, o que já provoca alagamentos.

A maior ocorrência de chuvas se dá nos municípios da região do Pantanal. No ponto de monitoramento da localidade de Nhumirim, próximo a Corumbá, em outubro do ano passado foram registrados 53,2 milímetros de chuva e neste ano, 223 milímetros. Miranda também saltou de 68,8 para 304,4 milímetros de chuva. Isso se dá, conforme explica a coordenadora técnica do Cemtec, Franciane Rodrigues, porque a chuva nessa época do ano entra no Estado pela região Oeste.

“Há um sistema de baixa pressão bem acentuado na região de fronteira, o que provoca essa instabilidade”, diz e ainda acrescenta: “Com o deslocamento do bloqueio atmosférico da alta pressão para o Nordeste do País, abriu-se o canal de umidade e as frentes frias começaram a entrar no Estado, trazendo chuvas mais frequentes e intensas”, afirma Franciane.

E novembro também deve registrar chuvas acima da média, embora não exista nenhum sistema de grande escala que possa provocar uma elevação acentuada no índice pluviométrico, observa a coordenadora.

Alagamento

Com mais chuvas que o habitual, as populações de municípios servidas por rios já começam a se preocupar com os alagamentos. O rio Miranda, por exemplo, que passa pela cidade do mesmo nome e tem vários outros povoados em suas margens, já registrou sete metros de lâmina d’água há poucos dias, quando o normal de seu leito é quatro metros, explica o fiscal ambiental, Jun Nukariya, da Sala de Situação do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), órgão também vinculado à Semagro.

A Sala de Situação faz o monitoramento do volume dos leitos dos rios, informação que ativa o serviço de Defesa Civil tanto do Estado quanto dos municípios para evitar danos maiores em casos de cheias. Nesta terça-feira (21.11), o leito do Miranda continuava no nível de alerta, com seis metros de volume de água. No ano passado a cheia foi severa, o rio ultrapassou 12 metros e desabrigou centenas de famílias.

Outro rio que apresentou elevação anormal em seu leito para essa época do ano foi o Coxim, que corta o município de Coxim, entre outras localidades. O nível normal do leito do rio é de três metros, mas hoje estava em 4,51 metros. O Imasul tem 13 estações de monitoramento no Estado, sendo 11 na região do Pantanal.

Do Dourados News

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.