11/08/2017 14h53

Botulismo causou a morte de 1,1 mil bovinos em MS, dizem autoridades

Imagem mostra o gado morto, que foi enterrado na própria fazenda (Foto: Rural News MS)

Nota técnica divulgada hoje (11) por autoridades estaduais, confirma que a doença botulismo foi a causa da morte de 1,1 mil bovinos em Ribas do Rio Pardo - distante 103 km de Campo Grande. Foram encontradas toxinas em amostras de rações recolhidas da fazenda Marca 7.

A nota é assinada pela Iagro ( Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul) em conjunto com a SFA/MS (Superintendência Federal de Agricultura no Estado), e mostra que a mortalidade foi causada por infecção alimentar.

As autoridades afirmam que foi encontrada presença de toxinas botulínicas tipo C e D nas amostras da silagem de milho fornecida ao gado em confinamento, confirmando a suspeita inicial do setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal de MS.

É ressaltado que a doença não é infecto-contagiosa, mas se trata de infecção alimentar. "O Clostridium botulinum, bactéria produtora da toxina, está normalmente presente no ambiente e depende de condições favoráveis para o seu desenvolvimento, tais como matéria orgânica, alta umidade e anaerobiose, o que pode ser evitado com boas práticas e cuidados na formulação, conservação e armazenamento dos alimentos a serem fornecidos aos animais".

A nota, também assinada pela Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) afirma que todos os elos envolvidos na cadeia produtiva têm o dever de notificar imediatamente toda e qualquer suspeita de doenças em animais de produção, para que sejam investigadas por órgãos competentes.

Do Campo Grande News

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.