13/01/2016 14h34

Chuva causa perda na soja e preocupa escoamento e plantio de milho safrinha

Soja já começa a apresentar perdas em Mato Grosso do Sul - Foto: DouradosNews/Joandra Alves

O excesso de chuvas já preocupa os produtores de soja da região da Grande Dourados, principalmente em relação a colheita, com previsão de se iniciar nas próximas semanas. O escoamento por conta de estradas que foram danificadas ou até mesmo destruídas e ainda o atraso no plantio do milho safrinha, após o fim do cilo da soja são outras dificuldades que começam a se apresentar para ao agricultor.

De acordo com o engenheiro agrônomo, Fernando Mignoso, há produtores que contabilizam perdas, mas não é possível dizer ao certo de quanto seria, porém, os que plantaram em áreas consideradas secas foram beneficiados com as chuvas. Mas todos estão apreensivos com o clima.

“Os produtores que tem áreas chamadas de ‘varjão’, já contabilizam perdas, mas é cedo para falar nelas, pois para alguns produtores a chuva dos últimos dias foi significativa, como os que plantam em áreas consideradas secas. Mas no geral eles estão preocupados mais é com o escoamento por conta das estradas e se atrasar a colheita da soja, compromete também o plantio do milho safrinha”, explicou o agrônomo.

Ele disse ainda que não há o que fazer, o jeito é aguardar dias de sol, para que as áreas com o solo encharcado sequem e assim os produtores consigam finalizar a colheita.

Muitos produtores já estão com áreas quase prontas para colher, a previsão é que se inicie na segunda quinzena de janeiro, mas o forte mesmo será no próximo mês. Em Dourados, aproximadamente 163 mil hectares foram utilizados para o plantio de soja, segundo a agrônomo.

“É preciso no mínimo 10 dias de sol, para que seque bem o solo e assim os produtores consigam entrar com as máquinas na lavoura. Os que conseguiram plantar antecipado, terá soja para colher já nas próximas semana, mas tudo vai depender do clima e de dias de sol”, comentou Mignoso.

Segundo o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Rodrigo Arroyo Garcia, apesar do clima ser de grande preocupação, a expectativa dos produtores é grande em relação a colheita, pois essa safra foi atípica e oposta da anterior que foi afetada pela seca.

“Mesmo com o excesso de chuvas que vem atrapalhando os produtores, a expectativa é boa em relação à safra, pois a anterior foi marcada pela seca. Muita chuva atrapalha o desenvolvimento da planta, como o grande volume registrado em novembro e dezembro, e alguns pontos foram afetados e resultou em perdas, com manchas. A grande quantidade de água no solo, atrapalha a respiração da planta e isso prejudica a sua produção e interfere na qualidade. Mas para outros foi importante o volume de água”, complementou.

Ele conta que em algumas plantações é possível ver o efeito do excesso de chuvas, e ‘talhões’ foram comprometidos devido o tipo de solo, mas a previsão é que Dourados produza dentro da média.

Para ele a preocupação dos produtores é sobre os efeitos na produção, pois nestes períodos muitos não estão conseguindo realizar o manejo, ou seja, entrar na área com pulverizadores para aplicar produtos para inibir o ataque de pragas ou doenças.

“Com a chuva não é possível entrar na plantação e fazer a aplicação de produtos contra a ferrugem e também o percevejo e isso pode ajudar a ter perdas também, então esse momento é bem complicado”, pontuou Arroyo.

Trabalhando há 20 anos na produção de grãos, Gerson Miazaki, conta que está bem preocupado, pois a soja está em um processo chamado de maturação, e com e se o clima continuar chuvoso pode afetar na qualidade do grão.

“As preocupações são muitas, é com a qualidade do grão, com as estradas para podermos escoar a colheita é em começar a plantar o milho. Eu planto em duas regiões, uma próxima a Dourados na região do ‘Guassu’ e outra em Laguna Carapã e a preocupação é a mesmo nas duas áreas. Com a colheita, que preciso de sol e ainda o escoamento que tem locais que as estradas foram destruídas com a chuva”, desabafou o produtor.

Motivos e causas
Para o pesquisador da Embrapa, o fenômeno El Ñino, pode ter relação com a quantidade de chuva dos últimos meses em Mato Grosso do Sul. O período foi bem atípico dos registrados nos últimos 32 anos, em Dourados assim como pode ser um dos motivos de mudanças climáticas em várias regiões do país.

O fenômeno climático, de caráter atmosférico-oceânico, consiste no aquecimento fora do normal das águas superficiais e sub-superficiais do Oceano Pacífico Equatorial, porém as causas ainda não são bem conhecidas pelos especialistas em clima.

 

Joandra Alves, do Dourados News

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.