06/01/2018 17h18

Itaporã registrou dois casos de leishmaniose em 2017; MS teve sete mortes

Segundo boletim epidemiológico, em MS o número de mortes é o mesmo em comparação a 2016.

A Secretaria do Estado de Saúde (SES) registrou sete mortes e 125 casos de leishmaniose visceral em 24 municípios de Mato Grosso do Sul, em 2017. Itaporã registrou dois casos sem óbitos.

Segundo o boletim epidemiológico, divulgado nesta sexta-feira (5), o número de mortes é o mesmo de 2016, sendo que em 2017 os óbitos foram registrados em Campo Grande (2); Corumbá (2); Dourados, Ladário e Três Lagoas.

Os casos ocorreram em Alcinópolis, Anaurilândia, Aquidauana (7), Aral Moreira, Bataguassu (2), Brasilândia (2), Campo Grande (58), Cassilândia, Corumbá (11), Costa Rica, Dourados (3), Itaporã, Jaraguari, Jardim (2), Ladário (4), Miranda, Ponta Porã (3), Porto Murtinho, Ribas do Rio Pardo, Rio Negro, Rio Verde de Mato Grosso (3), Terenos (2) e Três Lagoas (14).

A maioria dos municípios onde houve registro de apenas um caso da doença não tem histórico de leishmaniose desde 2010, segundo o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan/SES). As exceções são Miranda, Ribas do Rio Pardo e Rio Negro.

Diferente de outras doenças, a leishmaniose visceral é sistêmica arrastada, ou seja, os sintomas vão aparecendo aos poucos e comprometendo o organismo. O primeiro sintoma é uma febre prolongada de 15 a 20 dias.

A transmissão é feita por um mosquito, depois de picar um mamífero infectado, como cães.

Do G1, editado por iFato

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.