08/09/2016 20h03

Nasa lança sonda que viajará até asteroide para coletar poeira cósmica

A agência espacial americana Nasa lançou na noite desta quinta-feira (8), às 20h05, uma nova sonda para descobrir um pouco mais sobre a origem da vida na Terra. A Osiris-Rex vai viajar até o asteroide Bennu e coletar poeira e detritos - pó cósmico igual ao que, em choque com o nosso planeta há bilhões de anos, pode ter originado os primeiros seres vivos.

O foguete que transporta a sonda não tripulada decolou de Cabo Canaveral, na Flórida. A Osiris-Rex deverá chegar ao asteroide em 2018. Se a missão for concluída com sucesso, a amostra do Bennu deverá chegar à Terra em 2023.

A poeira do asteroide será analisada pela Nasa, mas já se sabe que é rica em carbono. A agência deverá estudar mais sobre a distribuição de seus minerais e se há matéria orgânica.

Serão mapeadas todas as propriedades químicas e mineralógicas do Bennu para tentar definir sua história geológica. Também serão documentadas a textura, morfologia e todo o material da superfície do local de retirada amostra.

A missão custará US$ 800 milhões à Nasa. Bennu foi escolhido entre os cerca de 500 mil asteroides do sistema solar porque ele orbita perto da rota da Terra em torno do Sol, é do tamanho adequado para um estudo científico e é um dos asteroides mais antigos conhecidos pela agência espacial.

"Nos asteroides primitivos e ricos em carbono como Bennu, os materiais são preservados há mais de 4,5 bilhões de anos", explicou Christina Richey, cientista do programa Osiris-Rex.

Aprender mais sobre as origens da vida e o início do sistema solar são objetivos essenciais da nave, que tem o tamanho de um carro. A missão também pretende encontrar recursos preciosos, como água e metais, nos asteroides.

"Vamos mapear este mundo totalmente novo que nunca vimos antes", disse Dante Lauretta, pesquisador principal da Osiris-Rex e professor da Universidade do Arizona, em Tucson.

Usando um conjunto de câmeras, lasers e espectrômetros, será possível "entender a distribuição de materiais ao longo de toda a superfície do asteroide", acrescentou.

Outro objetivo da missão é medir como a luz solar pode empurrar asteroides enquanto eles orbitam -- um fenômeno conhecido como Efeito de Yarkovsky -- para que os cientistas possam prever melhor os riscos a longo prazo de que asteroides colidam com a Terra. A Nasa estima que haja um risco pequeno, de cerca de 1 em 2.500, de que Bennu atinja nosso planeta no século 22.

 

G1

COMENTÁRIOS

Usando sua conta do Facebook para comentar, você estará sujeito aos termos de uso e politicas de privacidade do Facebook. Seu nome no Facebook, Foto e outras informações pessoais que você deixou como públicas irão aparecer no seu comentário e poderão ser usadas nas plataformas do iFato.